domingo, 22 de junho de 2014

Parte II - Dois Dias na Pele de Um Turista



Olás ...

Caminhar por Manaus nesses dias  de jogos da COPA  tem sido um programa de índio, no sentido bom da expressão.


No dia 15/06, um domingo, saí para viver outro dia na pele de um turista. O rumo foi o centro da cidade de Manaus. O jogo Itália x Inglaterra foi definido com a vitória da Itália, no dia anterior, mas torcedores  ingleses e italianos ainda permaneciam em Manaus, naquele domingo ensolarado.

Primeiro, uma  parada na Feira de Artesanato - Av. Eduardo Ribeiro.

Típica vendedora de frutas tropicais.
A temperatura, já pelas 10h, era em torno de 33ºC.

Esses estavam adequadamente vestidos para o clima quente.

Outros, bem protegidos do sol.

O foco dos turistas era o Teatro Amazonas, Praça São Sebastião. O imponente Teatro construído no período áureo  da Borracha. Palco das grandes óperas, vindas do Velho Continente/Europa. (Atualmente, tem sido palco de grupos de óperas, peças  de teatro, festivais, além de servir de magnífico cenário- área externa -  no Natal).

O relógio da Torre da Igreja São Sebastião, naquele domingo quente,  marcava 12h30.

Aliás, para quem não sabe, essa Igreja, que fica no  Largo São Sebastião,  tem somente uma torre. Conta a História, que ao ser transportada em navio da Europa  para Manaus, uma das torres  caiu no mar. Portanto, o projeto inicial ficou alterado por causa desse "incidente".

Igreja São Sebastião
Turistas passeavam  tranquilamente. Nada  de onças ou jacarés  nas esquinas.

Quem disse que o sol desanimava esses caras pálidas?
Monumento à Abertura dos Portos às Nações Amigas - Praça São Sebastião;

Palácio da Justiça - Av. Eduardo Ribeiro- Atualmente funciona como museu. Também construído no Ciclo(rico) da Borracha.

Abaixo,  turistas almoçavam na área externa do Restaurante Tambaqui de Banda. Eu também almocei por  lá,  mas fui para a área  interna, com ar refrigerado (Largo São Sebastião).


A  espera  do prato foi demorada. O Restaurante, nos dois espaços e mais a área externa, estava lotado.Um grupo de turistas italianos, próximos a nós, ficou "zoando"  quando levantei as  mãos ao Céu para agradecer quando o garçom trouxe o pedido. E, quando o deles foi atendido, batemos palmas e rimos da situação.



Ônibus para quem estivesse interessado em um passeio pela cidade.

Tudo calmo!

Bar do Armando- Português que chegou em Manaus com 16 anos e aqui ficou. O local tem sido ponto de encontro das torcidas.E, fora dos jogos da COPA, de encontros da boemia. 
Próximo ao Bar do Armando

Até tentamos cumprimentar amigos e parceiros da Harmonia Nativa, mas o espaço estava fechado. São  portugueses que em Manaus se instalaram e vendem umas guloseimas deliciosas, como o Pastel de Belém (Praça do Largo São Sebastião).

O clima é quente,  mas o centro de Manaus  é bem arborizado. Ao fundo,  Casa das Artes.
E  turistas passeavam. Pareciam estar em casa.

À noite, esse espaço é bem frequentado, devido programações que a Secretaria da Cultura de Manaus tem proporcionado ao manauara. Aliás,  meus parabéns! O Festival de Ópera e o Amazonas Film Festival atrai turistas  e celebridades de vários recantos do País e exterior, ambos realizados nas áreas externas e internas do Teatro Amazonas.

Segurança ostensiva por todos os lados - Como o Largo é habitualmente usado para realização de eventos, tem sido comum a presença da Polícia. Crianças, adolescentes e adultos frequentam o ambiente diariamente. E ainda temos a Barraca de Tacacá do Largo, tida pela Revista Veja como top de linha no quesito gastronomia.

Confesso que o cansaço com o sol causticante já me consumia.  Mas esses gringos  ainda tinham  muito gás para  ser gasto. Acabei meu 2º Dia na Pele de Um Turista por volta de 15h30. Mas eles ficaram por  lá, à espera dos jogos da COPA daquele domingo, pela Praça e bares de Manaus.

Eu tinha "batente"  para enfrentar dia seguinte. Era segunda-feira. Dia Internacional da Preguiça.

Adorei o que vi. Eles adoravam o que viam. Aí cheguei à conclusão que "língua pra quê"? Até um olhar comunica. A comunicação gestual também faz a diferença,  mas eles sairão de Manaus aprendendo o "caboclês", como: "leseira baré", "tu é leso, é?", "abestado" (particularmente, não adoto esse   vocabulário,  mas  leseira sim, quando estou lesando, com leseira, ficando lesa...rss). 

Finalizando,   vale a pena acessar vídeo, no  link abaixo. Parece uma sátira,  mas até  pessoas do nosso País, de outras regiões, ainda imaginam que aqui nosso meio de transporte é o cipó. Em uma de suas apresentações na Praça do Largo, Nicolas Jr. diz o que a Amazônia  tem, ao "primo que está no Sudeste":

http://letras.mus.br/nicolas-jr/2003870/


Mamãe Coruja

4 comentários:

  1. Essa da torre da igreja que caiu ao mar... faz-me pensar nos portugueses do século XVI e no que eles conseguiam fazer (ou, no caso, não conseguiam).

    ResponderExcluir
  2. Sim, caiu ao mar.
    Mas tu nem precisas pensar no que um grupo deles aprontou, há pouco. Fui almoçar e na volta visitei a rua mais enfeitada do País, para a Copa, no Bairro da Alvorada, em Manaus. O local está lotado de portugas, alguns nigerianos, venezuelanos, e poucos americanos. Mas estão lá reunidos sem se importarem com o sol.Conversei com alguns portugueses, de Lisboa. Alguns com uma espécie de chapéu, escrito sagres, marca de uma cerveja.
    Vou esperar passar o jogo de hoje para publicar as fotos. Assim analiso o humor antes e após o jogo.
    Na peixaria onde almocei um grupo de tugas passou por lá. Mas iam assistir o jogo PT x EUA na Arena da Amazônia.

    ResponderExcluir
  3. Na realidade, contam que o barco que trazia afundou..
    Ficou ótima a matéria!

    ResponderExcluir