domingo, 3 de maio de 2015

Sem inspiração

Olás...


Esses dias têm sido dias sem muita produção palpável. Nada que se possa pesar, ou medir. Pelo menos, no campo pessoal (profissionalmente, não me permito ficar nesse marasmo!).

São dias mais de reflexões. De impotência, diria. Não comentei a respeito do Dia do Trabalhador - 1º de Maio - porque nada a ser comentado, positivamente. Não se pode comemorar esse dia! A Educação no País está um caos. Professores manifestando sua indignação com o descaso do Governo, e são espancados. Em outro âmbito, nepaleses, perplexos diante da força da Natureza. Pessoas sendo executadas, na Indonésia. Outras, que cometem os mesmos crimes, diariamente, soltas  por aí continuando na prática da criminalidade. Estranho Mundo e suas culturas e regras.

Andei sem muita inspiração para falar de algo mais brando. Ando regredindo para dentro de mim. Séculos e séculos se passaram e as mesmas atrocidades repetidas pelo Homem. Pessoas sendo vendidas, traficadas. Alguém manda. Alguém paga. Alguém explora. 

Recolho algumas lembranças de histórias vividas na infância e adolescência e me pergunto: o que vem dando errado? Por que o tempo não parou naquele exato espaço de tempo?

Dia  das Mães está chegando. Em alguns países da Europa esse Dia é comemorado hoje. O papel santificado das mães! Eu sou mãe e creio que tenho cumprido meu papel como tal. Mas ando, sobremaneira, preocupada com os filhos que estão sendo gerados por mães (?) irresponsáveis, enquanto outras "oferecem" seus filhos, ainda crianças, para adultos aliciarem.

Nesses dias,  revirando as entranhas, percebi, com maior preocupação, o caos que o Mundo vive. Na mesma velocidade que as informações e a tecnologia progridem, o Homem dá um passo atrás. Fica mais egoísta. Mais desconfiado. Menos solidário. Mais arrogante. Mais ambicioso. Mais corrupto. Menos ético. Mais falso. Menos honesto. Mais frio. Mais intolerante.  Menos educador. Menos descrente. 

Ando sem muito entusiasmo. Não sei muito bem o que fazer. Refugio-me no meu campo de angústias, e é lá, nesse espaço, que consigo saltar da mola que enxergo no fundo do poço. 

Ainda existe esperança. Sim. Basta que eduquemos nossos filhos, netos e bisnetos no caminho do Bem, mostrando o caminho do Mal, para que saibam que ele existe, mas que saibam desviar. Ninguém poderá andar o caminho deles, mas podemos dar-lhe um mapa com ricos detalhes para não se perderem.

Encontro respostas, para essas preocupações, quando assisto aos programas sobre animais - meus programas favoritos. Como e quanto temos a aprender com eles! Aprendem mais rápido do que nós, humanos! E nem cobram nada para nos darem muitas lições.

Olhemos, entretanto, o que estamos fazendo, em resposta! Estão aí, na Natureza. Encalhados nas areias, porque o Homem tem desviado o percurso natural dos rios e das matas. Sendo mortos em pescarias esportivas para o lazer de poucos. Sendo queimados durante a queima da mata; Enjaulados, para apreciação do Homem. Feito zumbis nas áreas urbanas, morrem eletrocutados porque estão fora do seu habitat. Ensinados (?) para servirem de espetáculo a um público, que sequer questiona o modo como foram "ensinados".

Ando distanciada. Não quero demonstrar uma alegria que não tenho. Não nestes momentos. As coisas que acontecem lá fora me chocam. Me comovem. Me fazem chorar. A fome de muitos. A dor de tantos. Tantas perdas. Quantos órfãos. Devastadora, a fúria da Natureza. Implacável,  a mão do Homem.

O que me revolta e angustia é pelo fato de que sabemos que não deveria ser assim. Não nos dias atuais. Não deveria. Afinal, o Homem, dizem, não evoluiu?

Vão ditando as regras os mais fortes e mais poderosos. Se a fauna e a flora pudessem "falar" talvez nos dissessem: "Sentimos vergonha de como vocês nos tratam. Os papéis não estão trocados? Somos os irracionais?".

E foi nesses momentos de total reflexão, que fui à procura de respostas. E as encontrei. Percebi que eles choram. Percebi que também sentem essas dores. Só não sabem falar.

Eu seria chamada de louca. Afinal, "ouvir" respostas de seres assim? Sim. Sou louca! Encontrei algumas respostas para esses dias de ausência. Ausência de mim. E encontrei, nesta manifestação solidária, "alguém" que entendeu essas sequelas... e deixou verter uma lágrima, como eu... quando estou assim... sem inspiração alguma... apenas refletindo sobre mim.

Chama a Mamãe



Mamãe Coruja

15 comentários:

  1. Para quem está sem inspiração, estás muito (e bem) inspirada.

    ResponderExcluir
  2. Minha leitora assídua. Bom te rever. Soube que teu parceiro PM esteve por águas espanholas. Não foste com ele?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tu já sabes que eu não lhe largo a braguilha.

      Excluir
  3. A inspiração quando se trata de indignação sai tudo na perfeição!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tens o "Dom" de me deixares olhando o mundo da melhor maneira que se possa olha.

      Excluir
  4. Um bom dia de Aniversário,muita Saúde.
    Tonito.

    ResponderExcluir
  5. Um bom dia de Aniversário,muita Saúde.
    Tonito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Toniiitoooo. Bom te ver por aqui.Um presentão. E em dose dupla.

      Obrigada.
      Bjs

      Excluir
  6. Em Manaus os Parabéns não são maus? Então, embora atrasados, aqui ficam os meus :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carlos, querido, o. Bom do atraso e que a gente continua comemorando o dia. Por isso, pra mim é bom demais estares aqui, e melhor, ainda, pelo gesto carinhoso. Beijos. Gosto de você.

      Excluir
    2. O mau do atraso é que podemos estar grávidas...

      Excluir
    3. Isso é uma gaguez original (repetir a frase completa).

      rsrsrsrs

      Excluir