quinta-feira, 6 de março de 2014

No que transformaram o Dia Internacional da Mulher?!

Olás...



No que  transformaram o Dia Internacional da Mulher?!

“Em 23 de fevereiro (8 de março no calendário gregoriano) estavam planejadas ações revolucionárias. Pela manhã, a despeito das diretivas, as operárias têxteis deixaram o trabalho de várias fábricas e enviaram delegadas para solicitarem sustentação da greve. Todas saíram às ruas e a greve foi de massas. Mas não imaginávamos que este ‘dia das mulheres’ viria a inaugurar a revolução”. Assim Leon Trotsky registrou o evento do que seria o início da Revolução Russa de1917.

A  greve das operárias da indústria têxtil foi, também,  um ato contra a fome e contra a participação da Rússia na Primeira Guerra Mundial.

Se fizermos uma retrospectiva da História, veremos que de de lá para cá, esse Dia  serviu para ser pano de fundo a   interesses  políticos e comerciais, inclusive, desviando o sentido real adotado pela Organização das Nações Unidas –ONU, em 1977, para lembrar as conquistas sociais, políticas e econômicas das  mulheres.

Evidente que houve  muitas mudanças nas condições de trabalho das mulheres. A nossa Consolidação das Leis do Trabalho- CLT, de 1943,  impõe ao empregador centenas de deveres em relação  aos direitos da mão de obra feminina. 

Muitas mulheres alcançaram cargos/funções/papéis  importantes no contexto mundial. Poderia citar inúmeras delas, mas limito-me a estas: Indira Ghandi, primeira  mulher a ocupar o cargo de chefe do governo indiano; Margareth Thatcher, liderou o governo do Reino Unido; Evita Peron, atriz e líder política na Argentina; Marisa Isabel dos Santos Matias, socióloga portuguesa e deputada europeia do Bloco de Esquerda. Excepcionalmente, Madre Teresa de Calcutá!

Do Brasil, poderia citar várias  mulheres como exemplo de fibra, de força. Não cito a Vossa Excelência Dilma Rousseff como exemplo, porque me decepcionou como Presidente do Brasil. Sua luta na época da Ditadura vale sua história. No entanto, ao chegar no poder que ela e muitos lutaram contra, acabou por fazer o mesmo (ou pior). Nem cabe  comentários.

Tantas foram as lutas de muitas corajosas mulheres para alcançarem seus direitos – até o direito ao voto! Infelizmente, vejo essas lutas terem sido um tanto inúteis, quando o cenário nos apresenta mulheres desnudas – para não dizer nuas – como se fosse uma vitrine  para vender algum  objeto. Parece que a  única "luta"  que entendem é a de mostrar o corpo. É apenas esse o "conteúdo"(?) da propagaanda.

Na política, é até grande o  número de mulheres que se valem (?)  dos seus atributos físicos- entenda seio e bunda -  para se candidatarem a cargos  políticos(?). Cicciolina é somente um dos exemplos.

Em todos os dias da minha (longa) vida – e não somente no Dia Internacional da Mulher – dou como exemplo minha mãe,  mulher de um homem só, viúva, zeladora de um hospital, soube criar e educar honestamente 5 filhos, sempre aumentando a (pouca) renda vendendo tacacá, broa e costurando ternos. Um exemplo de mulher!

Que me perdoem as tais “mulheres frutas”, mas minha  mãe nunca precisou de um título desse e não “apodreceu”.  Essas, de tanto efêmeras, terão que ser comidas logo, porque senão... irão apodrecer rápido.

À maior  mulher  que conheci em minha vida dedico o Dia Internacional da Mulher e todos os dias que virão:  minha mãe  L A U R A!


Mamãe Coruja


2 comentários:

  1. Um abraço pra você minha querida blogueira. bjs!!!

    Att,

    Gustavo

    ResponderExcluir