sexta-feira, 9 de maio de 2014

Ela Merece: Minha Mãe!

Olás...

No 2º domingo  de maio é comemorado o  Dia das Mães (Brasil). A Poesia abaixo, de minha autoria, foi criada - exclusivamente - para  minha mãe. Esse  texto já foi apresentado em um Festival  Arte & Cidadania, como também em uma dinâmica, durante a Especialização (um monólogo utilizando o texto), e,  mais recentemente, em homenagem às colegas de trabalho, mães.

Impressionante como o texto comove. Deve ser porque extraio as palavras da alma, o sentimento vem espontâneo do coração. Tudo, cada segmento de frase é sentido. Nada é acaso. Deve ser por isso.

As pessoas me confidenciam que se "viram" em cada  palavra.  Na dinâmica, ao passear o olhar pela plateia -  postura que adoto quando falo em público- percebia que todos estavam emocionados.  Até os homens tinham lágrimas nos olhos. Disseram-me,  após  a peça, que só  lembravam de suas mães, naquele momento. 

Hoje, o feed-back  não  foi diferente. Colegas,  envolvidos com as questões das Ciências, manifestaram-se emocionados. Particularmente, isso me enche de alegria. Agradeço os elogios   mais  do que especiais. 

Que todas as mamães sejam  amadas e respeitadas. Da mesma forma,  que elas saibam o quão é grandioso exercer esse papel.

Mamãe-------------------------->>>>>  esta  vai, de novo, para a senhora!


À Minha Mãe 

Mãe, vejo tua vida
Como uma lenta vela a se apagar.
Teimo em remontar os pedacinhos,
Os pingos,
Quero a chama acesa,
Quero tua vida,
Sempre a iluminar.

Mãe, querida.
Em tua presença já sinto tua falta,
É um lamentar diário...
Impossível acreditar
Que só terás PAZ quando partires.
Ainda assim, 
Não quero que vá.

Fica comigo, Mãe querida.
Quero em teus braços
Ainda adormecer, acordar...
Hoje, te vejo escapando da vida,
Como a vela brigando com o vento,
(Como a vela brigando com o vento),
Não querendo apagar.

Só peço a Deus que prolongue teus dias,
Mas que sejam dias de eterno cantar.
Não entendeste meus brados:
Eram doídos, mas necessários,
Para que tua vida
Tivesse um sentido,
Da luta que tiveste,
Para, enfim, nos educar.

Só uma certeza, Mãe querida,
Algum dia haveremos de estar,
Em plena e suave harmonia
Em outra vida, que seja!
No Céu... eternamente a te amar"


Bem, Alguém tem ouvido essas preces... Ah! Se tem.


Mamãe Coruja

9 comentários:

  1. ora...ora... eu também!

    ih ih ih ih !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. https://vimeo.com/34698374

      rsrsrs

      Excluir
    2. Ora agora viras tu, ora agora viro eu.
      "Ah! vira, virou, meu coração navegador...quero ver o passaredo pelos portos de Lisboa, voa, voa..."

      https://www.youtube.com/watch?v=4t6AohLCF20

      (-.~)

      Excluir
    3. Muito bonita, esta música. Mas conhecia-a de outras vozes...
      Talvez... MPB4...

      Excluir
  2. Eu sempre me emociono quando leio essa poesia. :)

    ResponderExcluir
  3. Verdade. Quando a divulguei no trabalho, no Dia das Mães, recebi muitas manifestações assim, de homens, inclusive.
    Homens também se emocionam... (Graças a Deus!)

    Bjs...amo você, querida!

    ResponderExcluir